Artigos

Breves

Postado por:

Compartilhar/Favoritos


Breves

Como obter um pouco mais do cérebro
Você gostaria de aumentar o equilíbrio entre o lado esquerdo e o lado direito do seu cérebro? Você gostaria de reduzir o estresse?

Aqui está um exercício rápido e simples que pode auxiliar a equilibrar os hemisférios cerebrais e reduzir o estresse. Adquira uma bola de borracha esponjosa, mas firme para apertar. Escolha uma bola ou objeto que caiba confortavelmente na mão.

Como os níveis de estresse se acumulam desapercebidos, torne um hábito espremer a bola em intervalos durante o dia. Enquanto você a espreme, imagine que está deixando todo estresse e tensão irem embora. Se você lembra de alguma coisa que foi estressante, pense nela e ponha o estresse na bola, apertando-a diversas vezes.

Para aumentar o rendimento cerebral, lembre que o corpo se conecta cruzado aos hemisférios cerebrais. Tudo que você precisa fazer para ativar um hemisfério é começar a usar o lado oposto do corpo. Se você quer mais habilidade referente ao lado direito do cérebro para algo como criatividade, simplesmente aperte a bola com a mão esquerda. Se você quer mais habilidade referente ao lado esquerdo, para algo como lógica e matemática, simplesmente aperte a bola com a mão direita. (Conselho de Eldon Taylor, criador de Inner Talk, Conversa Interior)

Não tome muito café!
O consumo de grande quantidade de cafeína pode produzir sintomas indistinguíveis daqueles da ansiedade — tais como nervosismo, irritabilidade, tremedeira, insônia, respiração rápida, palpitações, arritmia, diurese, rubor e distúrbios intestinais.

Embora seja bem conhecido que tomar café demais pode causar ansiedade e os sintomas relacionados, um número muito grande de médicos e pacientes esquecem essa conexão quando estão confrontando sintomas de ansiedade. Talvez os médicos estejam condicionados pela indústria farmacêutica a relacionar a ansiedade a uma deficiência de benzodiazepina (por exemplo, Valium).

Alguns anos atrás, um jovem músico contou que se submeteu, devido a ansiedade crônica, durante seis anos a psicoterapia. Um dia lhe caiu na mão uma revista com um artigo informando que cafeína causa ansiedade. Ele parou com seu habito de tomar seis latas de Pepsi por dia e sua ansiedade prontamente desapareceu. (Greden JF. Anxiety or caffeinism: a diagnostic dilemma. Am J Psychiatry 1974; 131: 1089-1092)

Intoxicação por mercúrio
Dr. Michael Yeung (toxicólogo em medicina relacionada a metais) e Dra. Lillian Ko de Hong Kong apresentaram uma pesquisa mostrando a relação entre doenças do sistema nervoso e a grande prevalência de toxicidade por mercúrio nas crianças de Hong Kong. www.ibcmt.com

Acessos de pânico
“Há diversos anos sofro de acessos de pânico. Nem psicoterapia nem medicamentos me ajudavam a combater a transpiração e a falta de ar. Recentemente, encontrei um método simples de contornar esta situação: tão logo sinto surgir o pânico fico contraindo todos os músculos com toda a força. Depois solto e repito até me acalmar”. (Simone)

A maconha como droga e como medicamento
Dr. Julius Kiboi, um neurocirurgião que dedicou parte de sua carreia à reabilitação de dependentes, afirma que “um dos aspectos mais graves é que ela pode causar esquizofrenia, quando pessoas sofrem de sintomas terríveis, como ouvir vozes internas ou acreditar que outros estão lendo sua mente, controlando seus pensamentos ou tramando contra elas. Vi homens inteligentes e trabalhadores e a vida de mulheres, na escola e no trabalho, arruinados pela maconha.” (AIDMatters, TALC, nº3, 2003)

Entretanto, a maconha também tem virtudes medicinais que não podemos esquecer. A maconha (Cannabis) representa uma solução surpreendente para a náusea e o enjoo matinal grave da gestante (hyperemesis gravidarum) contra os quais não se conhece outro remédio eficaz. Esta planta proibida já salvou a vida de gestantes e seus filhos. Portanto, o uso medicinal deve ser permitido. (Erin Hildebrandt, Mothering, maio/junho de 2004, nº 124).

Tranqüilizantes durante a gravidez também causam autismo
Pesquisas realizadas na Suécia mostram que tranqüilizantes receitados, com tanta falta de cuidado, para gestantes podem causar dificuldades de aprendizado e autismo na criança. Estudos mostram que antidepressivos podem ser ainda piores. Mesmo quando a mãe não toma qualquer medicamento durante a gravidez, as pesquisas mostram, novamente, um risco maior de autismo após um parto com anestesia geral ou durante um parto difícil, quando grande quantidade de diazepam e outros medicamentos é usada.

Como medicamentos psicotrópicos podem afetar o DNA, esses problemas podem passar de geração em geração. Embora as mães sejam advertidas do perigo de fumar e tomar bebidas alcoólicas durante a gravidez, nenhuma delas sabe do perigo bem maior que oferecem esses medicamentos. Assim, é possível que milhares de crianças no mundo inteiro tenham sido, prejudicadas dessa forma em famílias sem histórico anterior de autismo ou problemas de aprendizado. (Margaret Bell, Londres, Inglaterra)

Você ingere petróleo?
Se você come alimentos que contêm corantes artificiais, a resposta é SIM. Os corantes artificiais — encontrados nos alimentos industrializados, nos medicamentos e em alguns cremes dentais — são sintetizados de petróleo. Muitas pessoas são sensíveis a esses produtos químicos, que podem provocar grande número de problemas de comportamento, aprendizado e saúde. “Sabores e cores artificiais são associados com problemas respiratórios alérgicos, urticária, lesões na língua e em mucosas – como na boca, problemas digestivos, dores de cabeça, bem como distúrbios comportamentais, incluindo a hiperatividade na infância”.

Erva cidreira
Pesquisadores da Universidade Northumbria em Londres comprovaram, que a erva cidreira é boa para a memória. A planta aumenta no cérebro a acetilcolina, uma substância neurotransmissora, que contribui para a capacidade da memória. Os pesquisadores dizem, que a planta poderia, portanto, ser útil para doentes que apresentam demência, pois está comprovado, que estes pacientes apresentam carência de acetilcolina. (BRITISH PSYCHOLOGICAL SOCIETY)

Lavanda
À planta medicinal lavanda (lavandula) até hoje era atribuída um efeito apenas calmante. Agora, porém, um grupo de psicólogos da Universidade da Northumbria da Grã-Bretanha afirma que a planta tem um efeito muito mais amplo. Apresentaram no Encontro Anual da Associação de Psicólogos Britânicos seus estudos, que mostram como o perfume da lavanda fortalece a atenção e a memória. (Texmanufaktur)

Estressado? Coma chocolate
Comer chocolate provoca a mesma resposta química no cérebro como as drogas poderosas contra ansiedade, como o Prozac. Em um estudo publicado pelo American Journal of Psychiatry, o Professor Gordon Parker da Universidade de New South Wales,diz que as pessoas com depressão que comem chocolate, na realidade, talvez estejam se automedicando e usando o chocolate como uma espécie de substituto aos antidepressivos.

O Professor Parker diz que comer chocolate provoca uma reação hormonal e química que espelha a ação de um tipo específico de medicamentos conhecidos como SSRI, Inibidores seletivos de receptação de serotonina.

Quando os carboidratos e o açúcar no chocolate alcançam o sistema digestivo, inundam o cérebro com hormônios do bem-estar, as endorfinas. Eles também contêm uma substância química, chamada L-triptofano, que é similar aos medicamentos SSRI. Esses alimentos acalmam e reduzem o estresse e, até certo ponto, aliviam a depressão de forma natural. (The Courier-Mail, setembro, 2002)

Pesticidas e agressão
Um estudo recente realizado no México — de crianças com quatro a cinco anos de idade — mostrou uma diminuição significativa na habilidade mental e um aumento no comportamento agressivo entre as crianças expostas a pesticidas. Elizabeth A. Guillette e seus colegas estudaram dois grupos de crianças indígenas, que vivem no vale do Yaqui no Norte de Sonora. Um dos grupos de crianças vive nas baixadas dominadas por uma agricultura com uso intensivo de pesticidas (45 ou mais pulverizações por ano). O outro grupo de crianças vive nas montanhas onde os pais cultivam roças sem uso de pesticidas. As crianças expostas aos pesticidas eram muito menos resistentes, sua coordenação mão/olho era inferior e não eram capazes de desenhar uma simples figura humana — o que as crianças das montanhas faziam com facilidade.

No estudo de E Guillette encontramos, principalmente, uma descrição do comportamento das crianças expostas aos pesticidas: “Algumas crianças do vale foram observadas batendo em seus irmãos, ao passar por eles, e ficavam rapidamente agitadas e furiosas com qualquer repreensão dos pais, por menor que fosse. Esse comportamento agressivo não foi notado nas crianças das regiões livres de pesticidas”. (Environmental Research Foundation, Annapolis, EUA)

Fonte: http://www.taps.org.br/Paginas/smentalbreve01.html

0


Sobre o Autor:

Enviar um comentário